Estudante acusada de matar a mãe é inocente

A estudante de zootecnia Fabiany Guimarães, de 21 anos, e seu namorado, o tatuador Joésio Ferreira Alves, de 26, foram libertados neste domingo por determinação da juíza de Itapetinga, Cristina Brito. Fabiany era suspeita de tramar com Alves a morte da mãe, a empresária Jussara Guimarães, em julho.Os dois, detidos desde o dia 10, sempre negaram o crime.Na sexta-feira, foram presos os assaltantes Eduardo Pereira, o Nego Du, de 19 anos, e Reginaldo Coelho, o Raposão, de 26, que confessaram ter assassinado Jussara. Eles disseram que pretendiam roubar a vítima, mas um deles se precipitou e disparou, atingindo-a na cabeça. O ataque ocorreu quando Jussara chegava de carro em casa com o marido Augêncio Silva, Fabiany e uma irmã dela.A polícia de Itapetinga passou a desconfiar da jovem quando descobriu que o tatuador, endividado, estava se apossando das economias de Fabiany. O delegado que investigou o caso, Humberto Matos, pediu a prisão temporária do casal depois que recebeu, de um anônimo, bilhete supostamente forjado por Fabiany para incriminar um desafeto da mãe, conhecido como Val Preto.Matos chegou a levar o casal para Salvador para fazer exame grafotécnico para saber se seriam os autores do bilhete. Contudo, antes do resultado do exame, o caso foi desvendado com a prisão de Nego Du e Raposão já pela nova delegada de Itapetinga, Ângela Sá Labanca. Depois de libertada, Fabiany foi para a casa da avó, magoada com o pai, que chegou a acreditar que ela participara do crime. O tatuador pensa em processar os que o acusaram.

Agencia Estado,

24 de novembro de 2002 | 20h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.