Estudante cola professora em cadeira em Curitiba

Reação química provocada pelo contato da cola com o verniz feriu seriamente a mulher

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

06 de dezembro de 2007 | 18h55

Uma brincadeira entre adolescentes provocou queimaduras em uma professora de matemática em Rolândia, a cerca de 390 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná, na última segunda-feira, 3. Um jovem de 14 anos colocou cola na cadeira da professora Lílian Cavado Iacomo, de 35 anos, no Colégio Estadual Padre José Herions. Além de permanecer presa ao móvel por cerca de 10 minutos, a reação química provocada pelo contato da cola com o verniz a feriu seriamente. A professora, que deve retornar às aulas na próxima semana, não foi encontrada nesta quinta. O delegado de Rolândia, Walter Helmut, que instaurou um procedimento para apurar o caso, disse que a professora iria começar a segunda aula para os 30 alunos da 6ª. Série. Por volta das 13h50, colocou os livros na mesa e sentou-se. Imediatamente, sentiu a queimadura. "Ela foi se levantar, mas já estava colada à cadeira", afirmou. Lílian passou a gritar e chorar, enquanto um funcionário da escola tentava ajudá-la. Depois de descolada a cadeira, a professora foi levada ao hospital para receber tratamento médico. A gravidade da queimadura não foi maior em razão de ela, que trabalha há três anos nesse colégio, usar uma calça jeans. Na delegacia, a professora prestou queixa por lesão corporal. O adolescente, que teria sido visto colocando a cola, foi chamado pelo delegado. "A princípio, ele negou, mas, depois, na presença da mãe, relatou tudo", disse Helmut. Segundo o delegado, o adolescente "entregou" outro colega, que teria idealizado o plano, e um terceiro, que sabia de tudo, mas não alertou a professora sobre o problema. Helmut vai concluir o procedimento e encaminhar para o Ministério Público. O aluno que colocou a cola, que já teria um histórico de indisciplina, foi suspenso por três dias. A escola acionou também o Conselho Tutelar.

Tudo o que sabemos sobre:
ColaEscola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.