Estudante é morta em operação da Polícia Rodoviária

A estudante Verena Queirós Carvalho, de 16 anos, foi morta com um tiro na cabeça à queima-roupa ontem à noite pelo policial rodoviário federal José Juarez Tenório durante uma abordagem na rodovia BR-324, (Salvador/Feira de Santana). Tenório alegou que a arma disparou acidentalmente. Ele foi afastado de suas funções, mas vai responder ao processo de homicídio culposo em liberdade.O veículo em que Verena viajava com a irmã Vanessa Carvalho e o cunhado Jaziel Gomes Júnior foi perseguido por cerca de 70 quilômetros por uma viatura da polícia rodoviária federal que, na maior parte do tempo, não estava com a sirene ligada. Na trecho da rodovia que passa pelo município de Amélia Rodrigues, próximo de Feira de Santana, os policiais rodoviários sinalizaram para Jaziel, que estava dirigindo o veículo, parasse. Ele e as duas garotas teriam sido arrancados do carro de forma violenta, segundo Vanessa. "Os policiais mandaram a gente se deitar no chão algemados e, nesse momento, eu ouvi Verena gritar e o tiro", contou, aos prantos. A abordagem ocorreu porque os policiais pensavam tratar-se de um veículo roubado, o que não se confirmou.Tenório foi apresentado à polícia horas depois do incidente com a arma do crime, uma pistola 1.40. Com 15 anos na Polícia Rodoviária Federal, o policial alegou que a arma disparou acidentalmente. O inspetor Antonio Carlos Farias, chefe da PRF em Salvador disse que tudo será devidamente apurado e a "sociedade terá a resposta que o caso requer".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.