Estudante que degolou avó e matou empregada é interrogado

O estudante Gustavo de Macedo Pereira Napolitano, de 22 anos, que, na madrugada de 24 de novembro último, após cheirar 26 papelotes de cocaína, degolou a avó Vera Kuhn Pereira, de 73 anos, e matou com dezenas de facadas, a empregada Cleide Ferreira da Silva, em um sobrado na Alameda dos Maroás, no Planalto Paulista, foi interrogado nesta quarta-feira na 1ª Vara do Júri.A audiência - a primeira realizada no processo - foi a portas fechadas, sem acesso daimprensa. O estudante teria alegado que não se recorda de haver cometido os crimes,pois estava sob os efeitos da cocaína, droga da qual é dependente há seis anos.O próximo passo será o depoimento das testemunhas de acusação e defesa, arroladas. Gustavo é neto do professor universitário Murilo de Macedo Pereira, que morreu aos 72 anos, em janeiro de 2000. Ele era considerado uma das principais autoridades no estudo de drogas, com trabalhos reconhecidos em 35 países.Ao comemorar 45 anos de pesquisa, Murilo divulgou texto na internet, no qual elogia eagradece a contribuição de Gustavo, ?pela digitação em três computadores eletrônicos?,e pelo trabalho junto à internet, contatando instituições, pessoas, pesquisadores, a nívelnacional e internacional.Gustavo foi preso em flagrante e, no dia 24, teve prisão temporária decretada pela Justiça, e posteriormente prisão preventiva. É também réu no processo o traficante Adriano Campelo da Silva, morador na favela Mauro, que fornecia cocaína a Gustavo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.