Estudante que ofendeu nordestinos será indiciada por crime de ódio e preconceito

SÃO PAULO

, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2010 | 00h00

A Ordem dos Advogados do Brasil de Pernambuco (OAB-PE) decidiu entrar com notícia-crime contra a estudante de direito paulista Mayara Petruso no Ministério Público Federal, pedindo abertura de ação penal pelos crimes de racismo e por incitação à prática de homicídio.

A estudante da FMU espalhou na internet, logo após a vitória de Dilma Rousseff, frases preconceituosas contra os nordestinos. "Nordestino não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado", dizia uma das mensagens. Se o MPF decidir que a reivindicação é cabível e a estudante vier a responder formalmente a uma ação penal pública, poderá ser condenada a pena de dois a cinco anos de prisão e multa. A procuradora regional da República em São Paulo, Janice Ascari, também pediu ao Ministério Público Federal providências por "crime de ódio e preconceito". Segundo Ascari, as mensagens são de cunho xenófobo e a expectativa é de que o MPF abra investigação ou encaminhe o caso à Polícia Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.