Estudantes são agredidos em transatlântico

Terminou mal o cruzeiro marítimo pelo litoral brasileiro que os estudantes paulistas Fábio Bordgnon, 19 anos, Gustavo Manfredini, 18, e Henrique Brito, 18 anos, fizeram neste carnaval à bordo do luxuoso transatlântico Rapsody, de bandeira italiana. Eles foram agredidos brutalmente por quatro seguranças israelenses do navio e precisaram ser atendidos no Hospital Aliança de Salvador. Os agressores foram detidos pela Superintendência da Polícia Federal da capital baiana e permanecem em Salvador, após o Rapsody ser liberado para zarpar.A confusão começou durante a viagem entre Porto Seguro (BA) e Salvador na madrugada de ontem. Os três estudantes e mais sete colegas se divertiam na boate do Rapsody, quando um deles começou a paquerar uma garota. O irmão dela não gostou e iniciou uma discussão áspera, seguida de empurra-empurra. Eles foram separados pelos quatro seguranças que retiraram Fábio, Gustavo e Henrique da boate, passando a agredi-los com socos, pontapés e pauladas. Quando o comandante do navio, Gionani Massa, percebeu a gravidade da agressão, assim que a embarcação atracou em Salvador, encaminhou os três para o Hospital Aliança, o mais moderno da cidade, pedindo em troca que os estudantes não dessem queixa na polícia.Fábio sofreu uma lesão no olho esquerdo e terá de se submeter a uma cirurgia, enquanto Gustavo teve uma das mãos quebradas pelos agressores. Henrique foi o que se feriu menos, sofrendo apenas escoriações. Eles ficaram revoltados com o caso, contrataram um advogado e deram queixa na PF. O delegado federal Adriano Amorim abriu inquérito para apurar o caso e deteve os agressores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.