Estudantes são presos por causarem morte durante racha

Os estudantes de medicina Raynner Willian Aguilar Gaspar, de 20 anos, e Samuel Henrique Meduqui, de 21, estão presos desde a manhã de sábado, 18, na cadeia de Pompéia, a 35 quilômetros de Marília. Eles são acusados de cometer homicídio doloso e direção perigosa porque, na madrugada do sábado, quando tiravam um "racha" na avenida Sampaio Vidal, zona central de Marilia, teriam atropelado e matado o mototaxista Cícero José Santana, de 42 anos, além de provocar fraturas expostas no passageiro da moto Mateus Teodoro da Silva, de 19 anos.O delegado Pedro Luiz Cerem prendeu em flagrante e indiciou os dois estudantes depois de ouvir o relato de oito testemunhas que disseram ter visto os dois veículos, uma Chevrolet S-10 e um Audi TT, dirigidos por Raynner e Samuel, emparelhados e em alta velocidade na avenida.Segundo os relatos, Cícero e Mateus estavam na moto, aguardando o sinal da esquina da rua Dom Pedro e, no sinal verde, avançaram para atravessar a avenida, mas foram atingidos pela S-10, que avançou no vermelho.Os estudantes foram presos no local e negaram o racha, mas mesmo assim acabaram indiciados e recolhidos à cadeia. A ocorrência provocou revolta na população que acompanhava o desenrolar do caso. Um primeiro pedido de relaxamento das prisões foi negado pela justiça, ainda no domingo, 19, e na segunda, 20.Policiais informavam que as famílias dos estudantes tentavam contratar o mesmo advogado que em 2002 defendeu o jogador Guilherme de Cássio Alves, do Corinthians, que, após uma noitada, dirigia seu automóvel BMW e provocou uma acidente com a morte de duas pessoas próximo ao trevo de Marilia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.