Estudantes tentam invadir prédio da Prefeitura em SP

A segurança no prédio da Prefeitura de São Paulo, no centro da cidade, foi reforçada após cerca de 50 estudantes tentarem invadir o local, na tarde desta segunda-feira, 18. O grupo realizava um protesto, acompanhado de um carro de som, contra o reajuste da tarifa de ônibus também contra o aumento de salário de parlamentares. A Polícia Militar usou spray de gás pimenta para dispersar os manifestantes que pretendiam entregar uma carta ao prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PFL). Guardas civis metropolitanos reforçaram o policiamento no prédio da prefeitura foi totalmente isolado com cavaletes. Pelo menos duas pessoas foram detidas por desacato, uma seria um cinegrafista da Rede Record de Televisão. Não havia confirmação de feridos. Por volta das 14h30, parte do grupo havia deixado o local. Outro protestoMais cedo, outro grupo de estudantes iniciou um protesto contra o aumento das tarifa de ônibus e interditaram uma das quatro faixas da Avenida Paulista, sentido Consolação/Paraíso, em frente ao Museu de São Paulo (Masp), por volta do meio-dia.O protesto teria começado após estudantes que viajavam num ônibus que saiu do Terminal Princesa Isabel, no centro de São Paulo, e seguia para a Aclimação, na zona sul, obrigarem o motorista do coletivo a parar em plena Avenida Paulista. Segundo informações do SPTV, da TV Globo, depois de esvaziar os pneus, os manifestantes iniciaram o protesto, nas proximidades do MASP contra o reajuste no preço das tarifas dos ônibus e também contra o aumento no salário dos parlamentares. O ônibus foi cercado por policiais militares e iniciou-se uma negociação. O coletivo acabou sendo liberado pelos manifestantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.