Estudo mostra aumento da violência policial no Brasil

Um relatório sobre violência policial, preparado pela organização não-governamental Centro de Justiça Global, que registra mais de 150 casos exemplares de execuções sumárias em 25 Estados brasileiros, será entregue à Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas. A ONG auxilia a relatora especial da comissão da ONU, a paquistanesa Asma Jahangir. Ela tem recebido denúncias de ONGs brasileiras de que os assassinatos vêm aumentando muito nos últimos anos. O estudo, que tem também a participação do Núcleo de Estudos Negros, auxiliará o trabalho de Asma que vai avaliar a relação de conveniência, omissão e autoria de instituições e funcionários do Estado com tais crimes e, principalmente, a forma de atuação da polícia brasileira.O relatório da Justiça Global, foi tema de reportagem da revista Caros Amigos desta semana e documenta a sistemática de ação dos órgãos de repressão e Justiça do País e aponta a falência de diversas instituições brasileiras. O documento está dividido nas seguintes categorias: execuções no campo, execuções por agente não-estatal (com conivência ou omissão do Estado), violência policial (polícia matando no exercício legal da atividade), grupo de extermínio (policiais que se juntam para matar) e morte sob custódia (execuções de presos, detentos).Os dados apontam para um crescimento no número de vítimas de 1.479 em 2000 para 3.017 em 2001. Essa pequena amostra já pode ser comparada os registros do período de dezessete anos de ditadura no Chile, que vitimou 3.197 pessoas de 1973 a 1990.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.