Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Estudo mostra que mais da metade dos imigrantes venezuelanos não quer ficar no Brasil

Levantamento da ONU revela que imigrantes recebem menos de um salário mínimo por aqui e um terço não consegue fazer sequer três refeições por dia

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2018 | 13h16

GENEBRA - Violência, fome, discriminação e desemprego. É isso que venezuelanos encontram quando cruzam a fronteira e decidem viver no Brasil. Essa é a conclusão de um levantamento conduzido pela Organização Internacional de Migrações com essa população. 

A partir de 3,5 mil entrevistas, feitas entre janeiro e março, a entidade traçou um primeiro retrato das condições de vida desses estrangeiros, principalmente os que estão em Boa Vista e Pacaraima. 

Segundo o levantamento, 57% dos venezuelanos estão desempregados. Daqueles que encontraram algum tipo de trabalho, 82% estão em postos de trabalho informais. A renda é ainda outro problema: 83% dos que conseguiram algum emprego não chegam a ganhar nem um salário mínimo por mês. 


+++ Em barraca ou abrigo, rotina de venezuelanos em Roraima é de abandono

A principal motivação para o fluxo de imigrantes é a situação de colapso econômico na Venezuela. De acordo com o estudo, 67% dos entrevistados apontaram que saíram do país por causa dessa realidade. Outros 22% citaram a falta de alimentos e saúde. Entre os entrevistados, 7% mencionaram ainda a violência e apenas 1% indicou que estava sendo perseguido. 

+++ Imigrantes venezuelanos disputam até restos de comida em Roraima

+++ Prostituição vira opção para imigrantes venezuelanas em Roraima

+++ Sem dinheiro, venezuelanos percorrem 200 km a pé da fronteira até Boa Vista

Outros destinos

A pesquisa revela também que 52% dos venezuelanos não querem permanecer no Brasil e tem como “destino final desejado um outro país, sobretudo a Argentina”. 

O levantamento da OIM mostra que apenas 40% dos venezuelanos receberam algum tipo de apoio institucional, principalmente em relação à alimentação. E que grande parte dessa comida foi oferecida por instituições religiosas. “Ainda assim, 37% dos entrevistados consomem menos de três refeições diárias”, indicou o documento. Quase um a cada dez venezuelanos no Brasil só come uma vez por dia. 

Outro problema apontado pelos entrevistados é a discriminação. “Vinte e oito porcento das pessoas indicaram ter sofrido algum tipo de violência no Brasil”, apontou a OIM. “Destas, 81% foram atos de violência verbal, seguida por
violência física (16%), e violência sexual (2%)”. E vinte porcento das pessoas entrevistadas afirmam que não se sentem seguras onde moram.

Desde o começo de 2017, ainda segundo a ONU, 52 mil venezuelanos entraram no Brasil, sendo que 40 mil deles estariam em Boa Vista, Roraima, e 25 mil pediram asilo. Nas últimas semanas, porém, cerca de 800 venezuelanos estariam cruzando diariamente a fronteira em direção ao Brasil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.