ACERVO / ESTADÃO
ACERVO / ESTADÃO

'Eu entrevistei um santo'

Na sexta-feira, 21 de março de 1980, o repórter do 'Estado', José Maria Mayrink entrevistou o então arcebispo de San Salvador, d. Oscar Romero

José Maria Mayrink, O Estado de São Paulo

13 de outubro de 2018 | 17h15

Era uma sexta-feira, 21 de março de 1980, véspera de minha partida de El Salvador, após uma semana de trabalho para uma série de reportagens sobre a violência no país. Guerrilheiros e militantes de esquerda lutavam contra uma junta militar, empenhados em derrubar uma ditadura de centro-direita, instalada cinco meses antes com apoio dos Estados Unidos. Marquei uma entrevista com d. Oscar Romero, arcebispo de San Salvador, a capital. Ele me recebeu em seu escritório no Seminário São José com mais dois jornalistas, um americano, do jornal Dallas Times Herald, e um alemão, da agência de notícias DPA.

“O senhor não tem medo de morrer?”, perguntei ao arcebispo, quando ele se referiu à sua ação pastoral como mediador, que denunciava os extremismos de direita e de esquerda e lia, nas missas dominicais, a relação de mortos e de desaparecidos da semana anterior. A igreja ficava sempre lotada. Havia ameaças contra ele, e eu queria saber se não temia ser assassinado. 

“Em Salvador, todos temos medo. Eu prego a verdade e a justiça. Prego um Evangelho que é o Cristo, solução por caminhos de paz e de amor. Pode parecer ridículo pregar isso, mas é a solução. As soluções violentas não são dignas do homem nem são estáveis. A violência é uma espécie de operação cirúrgica para que o doente se cure logo. A Igreja admite a violência quando não há outro caminho, mas é preciso que seja apenas uma passagem. A insurreição como insurreição não tem sentido”, respondeu d. Oscar. 

O arcebispo admitiu o risco de ser morto e, três dias depois, levou um tiro no peito, por volta das 18h30 da segunda-feira, 24 de março, enquanto celebrava a missa no Hospital da Providência. Foi um único disparo, ninguém percebeu de onde saiu a bala. O assassino fugiu, após um ronco do motor de um carro que escapou em disparada.

A polícia atribuiu o crime a um atirador contratado pela extrema direita. A Comissão da Verdade da Organização das Nações Unidas (ONU) apurou que o mandante foi o major Roberto d’ Aubuisson, fundador da Alianza Republicana Nacionalista, em 1981.

No fim da entrevista ao Estado, d. Oscar escreveu um cartão, pedindo-me para entregá-lo a d. Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo. O cardeal revelou o conteúdo da mensagem em sua autobiografia, Da Esperança à Utopia, publicada pela editora Sextante em 2001. O arcebispo de San Salvador dizia “que nunca esquecia o Brasil e as vítimas do governo ditatorial em suas preces e particularmente em sua missa”. Os dois arcebispos eram amigos desde 1979, quando se conheceram durante a Conferência do Episcopado Latino-Americano de Puebla, no México. 

Tranquilo e afável. D. Oscar Arnulfo Romero y Galdamez, então com 62 anos, nasceu em Ciudad Barrios, a 138 quilômetros de San Salvador. Era um homem tranquilo e afável que não se alterava nem quando falava da terrível situação de seu pequeno país, de 21.040 quilômetros quadrados e cerca de 4,5 milhões de habitantes em 1980. Combatia os extremismos, cuja luta custou mais de 75 mil mortos em 13 anos de guerra civil. A direita o odiava, a esquerda o olhava com desconfiança. 

“Critiquei as organizações populares (de esquerda), mas a reação do governo é desproporcional e as vítimas são mais numerosas nas esquerdas. A resposta às provocações não deve ser somente militar. É preciso ouvir a voz que clama por justiça. Nos últimos dias, houve vítimas que não morreram em choques, mas em suas casas, após sequestros e torturas”, disse d. Oscar. “Dou números comprovados, temos documentos em nosso Socorro Jurídico: foram mais de 600 os mortos em janeiro e fevereiro”, acrescentou.

Apesar de tudo, d. Oscar ainda confiava na Junta Revolucionária que tomou o poder em outubro de 1979, porque dela participava o Partido Democrata Cristão. Mantinha um diálogo com o governo para solução de problemas. “Chamam-me, às vezes, da Casa Presidencial, ou eu recorro, quando necessário, a membros do governo. Sou um mediador em favor do povo. Quando há ameaças de um massacre, por exemplo, entro em contato com o governo. Mas eles também costumam recorrer a mim.” 

A fama de santidade, primeira condição para a abertura do processo de beatificação e canonização, alastrou-se por El Salvador e outros países imediatamente. Chamado de mártir das Américas por ter dado a vida em defesa dos direitos dos pobres e perseguidos, d. Oscar ganhou devotos pelo mundo afora. O papa João Paulo II rezou junto de seu túmulo, quando visitou San Salvador em março de 1983.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.