EUA acusam dois brasileiros de narcotráfico

O governo dos EUA apresentou acusações por narcotráfico contra quatro guerilheiros colombianos e dois brasileiros - o traficante Luiz Fernando da Costa (mais conhecido como Fernandinho Beira-Mar) e o fazendeiro goiano Leonardo Dias Mendonça, anunciou nesta segunda-feira o secretário de Justiça americano, John Ashcroft.Os colombianos são membros da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que o Departamento de Estado americano classifica como organização terrorista. A segunda maior guerrilha da Colômbia - Exército de Libertação Nacional - e os paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) também estão incluídos na lista de grupos terroristas de Washington.É a primeira vez que o governo americano acusa e tenta julgar guerrilheiros colombianos pela acusação de tráfico de drogas.Ashcroft disse que os EUA pedirão à Colômbia a captura e extradição dos quatro colombianos para que sejam julgados pela Justiça americana, que pode sentenciá-los a até 40 anos de prisão. A posição de Washington em relação aos acusados brasileiros, porém, não ficou clara.Formalmente, todo o grupo foi acusado à revelia de conspirar para introduzir em território americano cocaína refinada na Colômbia. "Eles estão sendo acusados não por serem guerrilheiros nem por serem terroristas, mas por serem narcotraficantes e temos evidências suficientes para condenar esses acusados, caso sejam julgados nos EUA", declarou Ashcroft.Entre os membros da guerrilha acusados estão Tomás Molina Caracas - conhecido como Negro Acácio e comandante da Frente 16 das Farc -, Carlos Bolas e Nelson Barrera. O nome do quarto guerrilheiro acusado não foi divulgado pelo Departamento de Justiça.Com exceção de Fernandinho Beira-Mar, que está preso em Brasília, todos os demais integrantes da lista de acusados dos EUA estão em liberdade. De acordo com a denúncia do governo americano, Negro Acácio e seus companheiros de guerrilha atuavam reunindo num acampamento perto da fronteira com a Venezuela carregamentos de cocaína armazenados por outros batalhões das Farc.A droga era vendida a traficantes internacionais - como Fernandinho Beira-Mar - ou trocada por armas. Segundo o Departamento de Justiça americano, a cocaína era retirada da Colômbia pela fronteira com a Venezuela. De lá, seguiam para Suriname ou Paraguai, antes de chegar ao destino final nos EUA e na Europa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.