EUA entregam à Receita US$ 40 mil apreendidos com brasileiro

O brasileiro que for apanhado desembarcando nos Estados Unidos com mais de US$ 10 mil terá o dinheiro apreendido, será investigado pela Receita Federal do Brasil e poderá sofrer pesada multa. Nesta quinta-feira, numa iniciativa inédita, o governo dos Estados Unidos entregou à Receita Federal, no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, US$ 40 mil apreendidos em 7 de novembro com um brasileiro, no Aeroporto de Miami.O nome do brasileiro está com a Receita Federal. Ele seria um empresário paulista. A devolução faz parte do Acordo Alfandegário de Assistência Mútua, assinado em junho pela Receita e pelos Estados Unidos. Pelo acordo, os países concordam também em realizar investigações conjuntas sobre importação e exportação."Embora já houvesse a cooperação, o acordo reconhece oficialmente a ajuda mútua", disse o cônsul-geral dos Estados Unidos em São Paulo, Patrick Duddy. Ele entregou o dinheiro ao superintendente-adjunto da Receita para assuntos aduaneiros, José Paulo Balanguer.O cônsul disse que as autoridades brasileiras, quando souberam da apreensão, pediram que o dinheiro fosse repatriado o quanto antes para ser usado como prova de sua saída ilegal do Brasil. Os funcionários da alfândega sabem que dezenas de brasileiros deixam, todas as semanas, o País levando dólares.Há duas semanas, um gerente de bar foi apanhado em Fortaleza com US$ 400 mil. Ele alegou que iria para São Paulo, mas a Receita suspeita que viajaria para os Estados Unidos. O gerente e a empresa de turismo que seria a dona do dinheiro estão sendo investigados.O empresário paulista terá de explicar como conseguiu o dinheiro apreendido em Miami. Mesmo que justifique, a multa que a Receita aplicará será alta. "Nenhuma pessoa que chegar ou sair do Brasil pode portar em espécie valor superior a R$ 10 mil ou o equivalente à moeda estrangeira, sem declaração de porte de valores", disse o superintendente da Receita em São Paulo, Maurício Prado de Almeida.Luiz Monteiro, auditor da Receita, disse que antes do acordo o dinheiro apreendido com os brasileiros que chegavam aos Estados Unidos ficava naquele país e nada acontecia com os portadores. "Com o acordo, deveremos receber mais dinheiro", afirmou.Monteiro explicou que o alerta serve para os brasileiros que trabalham no Japão, os dekasseguis. "Eles ficam anos juntando dinheiro e se arriscam no desembarque trazendo tudo na bagagem de mão. É melhor usar o sistema bancário."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.