AP
AP

EUA enviam tecnologia para achar caixa preta de Voo 447

Junto com aparatos, país envia uma equipe; Marinha e Aeronáutica brasileiras priorizam buscas às vítimas

08 de junho de 2009 | 10h55

Uma equipe americana deve chegar ao Brasil nesta segunda-feira, 8, com aparatos de detecção de sinais submarinos para ajudar nas buscas pela caixa preta do Airbus da Air France, que desapareceu na noite de domingo, 31. Enquanto isso, equipes da Marinha e da Aeronáutica brasileiras continuam os trabalhos de buscas às vítimas. Até o momento, 16 corpos foram resgatados por barcos do País e da França e devem chegar em Fernando de Noronha nesta terça-feira, 8.

 

As buscas estão concentradas em um raio de 220 quilômetros traçado a partir do ponto onde se acredita que o avião caiu, situado a aproximadamente 740 quilômetros do arquipélago brasileiro de Fernando de Noronha, a 1.296 quilômetros de Recife. A operação conta com seis navios, sendo um francês, e 14 aeronaves, entre aviões e helicópteros, duas delas francesas.

 

O capitão de fragata Giucemar Tabosa, do Centro de Comunicação da Marinha, afirmou que há uma área de instabilidade no local das buscas na manhã desta segunda-feira, mas isto não atrapalha o trabalho das equipes de resgate. Segundo ele, as ações se concentram nos pontos onde foram localizados os corpos, e, além disso, a aeronave R-99 realiza varreduras para identificar novos focos de destroços.

 

Veja também:

video Vídeo: Operação de resgate

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

som Ouça a coletiva desta segunda-feira sobre o resgate dos 16 corpos

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialConheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

 

A Marinha informou ainda que o Navio-Patrulha Guaíba está substituindo o Navio-Patrulha Grajaú, que retorna para Natal (RN). Dessa forma, os meios navais continuam compostos por cinco navios da Marinha do Brasil e uma Fragata da Marinha da França.

Na manhã de domingo, Tabosa disse que a área de buscas está concentrada, mas sujeita a expansão. Ele explicou que, apesar da concentração de corpos e objetos em uma região, os trabalhos continuarão a ser feitos em outros pontos, seguindo os cálculos feitos a partir da movimentação das correntes marítimas.

 

"Os navios estão atuando naquela área, mas as aeronaves estão circulando em vários outros pontos", explicou o capitão. "A cada descoberta, a área de buscas se amplia."

 

A causa do acidente pode não ser resolvida caso a caixa preta não seja encontrada. Os aparatos enviados pelos Estados Unidos podem detectar sinais a uma profundidade de 6.100 metros e foram enviados junto com uma equipe, informou o Pentágono. Eles serão entregues a dois barcos franceses que deverão se concentrar nas buscas da caixa preta, que é capaz de emitir sinais por 30 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.