EUA suspendem buscas de barcos às caixas-pretas do voo 447

Submarino nuclear francês, que deveria terminar os trabalhos nesta sexta, vai continuar procurando sinais

Agências internacionais,

10 Julho 2009 | 13h14

Dois barcos norte-americanos suspenderam nesta sexta-feira, 10, os trabalhos de buscas às caixas-pretas do voo 447 da Air France. O Airbus caiu no Oceano Atlântico na madrugada do dia 31 de maio, causando a morte de 228 pessoas. Apesar dos barcos norte-americanos terem suspendido as buscas, um submarino nuclear francês continua procurando sinais das caixas-pretas.

 

Veja também

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo 

 

Willie Berges, coronel da Força Aérea dos EUA, comandou o grupo norte-americano que ajudava nas buscas aos destroços do Airbus. Os trabalhos "não tiveram êxito", afirmou Berges.

 

Apesar do anúncio do comando dos EUA, as Forças Armadas da França prosseguirão as buscas das caixas-pretas, que deveriam se encerrar nesta sexta, quando o submarino nuclear Émeraude deixa a região. Apenas robôs-submarinos seguirão à procura das balizas, cujos sinais de rádio podem, inclusive, já ter cessado.

 

A baixa probabilidade de recuperação dos gravadores foi comentada, na quinta, por Pierre-Henri Gourgeon, diretor-geral da Air France. "Como as caixas-pretas ainda não foram localizadas, nós temos poucas informações, o que abre campo a toda sorte de especulações", afirmou, em entrevista ao jornal Le Figaro.

Mais conteúdo sobre:
voo 447 Airbus Air France

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.