Europa estimula uso de bikes

No continente, venda de bicicleta cresceu 15% por ano

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

26 de julho de 2008 | 00h00

Cada vez mais os europeus têm usado bicicletas, em parte graças a políticas adotadas pelos governos para tornar disponível essa opção aos cidadãos. Segundo a entidade Bike Europe, as vendas de bicicletas aumentaram em 15% apenas neste ano em todo o bloco. A inflação, que de acordo com dados da Comissão Européia já atinge os 4%, também é responsável pela maior procura por transporte público e de bicicletas, para evitar gastos com combustível.Criado para oferecer opções de transporte aos turistas, o sistema de bicicletas de Paris, com mais de 20 mil veículos, ganhou adeptos entre os moradores da cidade. O sistema permite que as pessoas possam usar bicicletas públicas que são deixadas em locais estratégicos da cidade e alugadas por um preço relativamente baixo. Um programa parecido também foi implantado em Barcelona.Em Amsterdã, cidade já conhecida por sua cultura da bicicleta, o governo local estima gastos de até US$ 160 milhões para a construção de novas vias e estacionamentos para bicicletas. O objetivo é preparar a cidade para um boom no uso desse meio de transporte nos próximos anos. Em um dos estacionamentos, nas proximidades da estação central, é difícil encontrar um lugar para deixar a bicicleta.A alta dos combustíveis, na Dinamarca, faz o governo também prever uma explosão do uso de bicicletas nos próximos anos. Em Copenhague, onde 36% das pessoas vão já ao trabalho em bicicleta, o governo planeja investir US$ 200 milhões em infra-estrutura para permitir que os ciclistas possam percorrer toda a cidade. A estimativa é de que, se os preços dos combustíveis não caírem, um verdadeiro boom ocorrerá e quase 50% dos trabalhadores usarão bicicletas até 2015.A alta nos preços de energia também pode ser sentida no transporte público. Segundo a Deutsche Bahn, entre janeiro e abril, o número de viagens nos trens alemães subiu em 20 milhões, passando de 868 milhões de viagens para 888 milhões em quatro meses. Em Londres, o metrô registra alta de 18% no número de usuários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.