Evento testa presença de turistas

Pela primeira vez em um feriado, expectativa é que 330 mil pessoas de fora de SP aproveitem a Virada Cultural

Edison Veiga, O Estadao de S.Paulo

02 de maio de 2009 | 00h00

Consolidada como sucesso de público e de crítica, a Virada Cultural, cuja quinta edição começa às 18 horas de hoje em São Paulo, testa sua força para atrair turistas à cidade. Afinal, pela primeira vez, o evento cai em um fim de semana precedido por feriado. "É claro que é a nossa festa, a festa do paulistano", diz o organizador do evento, José Mauro Gnaspini. "Mas o turista é superbem-vindo." Ele lembra que o forte nesse tipo de evento são as excursões "bate-volta" - grupos que fretam ônibus e partem logo após a festa, sem se hospedar em hotéis. Por causa disso, aliás, a São Paulo Turismo (SPTuris) preparou diversos bolsões, espalhados pela cidade, para que esses ônibus tenham onde ficar estacionados - serão 700 vagas, no total. Confira a programação completa da Virada Cultural De acordo com a SPTuris, a Virada Cultural foi o evento paulistano que mais atraiu público em 2008. Foram 3,5 milhões de pessoas - em segundo lugar ficou a Parada Gay, com 3 milhões, seguida pelo réveillon na Paulista, com 2,4 milhões. A expectativa é de que a quantidade se repita neste ano. E que a Virada atraia 330 mil turistas à cidade, assumindo o segundo posto neste quesito, logo atrás da Parada Gay - que traz 400 mil pessoas de fora. Gnaspini espera que o comércio da região central - principalmente bares, lanchonetes e restaurantes - também participe da Virada, permanecendo de portas abertas. "Na primeira edição (em 2005) ninguém abriu, mas a cada ano as adesões aumentam", conta. "Neste ano, enviei mil ofícios, assinados um a um, pedindo para que eles (os comerciantes) integrem o evento. A Virada Cultural quer estimular a vida ininterrupta, essa vocação 24 horas que São Paulo tem."INFRAESTRUTURAUma das principais queixas de quem frequentou as edições anteriores da Virada foi a falta de banheiros. Neste ano, a organização triplicará a oferta de sanitários químicos - serão 900 - e promete higienizá-los com mais eficiência. A maior parte das 800 atrações ocorrerá no centro, onde 22 espaços estão sendo montados especialmente para o evento. No total, 1,5 mil profissionais trabalham na festa - além de 5 mil artistas.Para evitar incidentes, a Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana preparam policiamento ostensivo - serão 1,5 mil PMs e 950 guardas-civis. Também foram contratados 800 seguranças particulares. Estarão de prontidão, para o caso de alguma emergência, 150 brigadistas, 40 ambulâncias e 20 UTIs móveis. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) também prepara operação especial. Haverá proibição de estacionamento nas Ruas Aurora, General Osório e Conselheiro Nébias e interdições na Avenida Rio Branco e na Rua Xavier de Toledo. A recomendação é que seja priorizado o transporte público - os trens do Metrô e da CPTM irão funcionar ininterruptamente. LEVE O GUARDA-CHUVAGuarda-chuva e agasalho devem ser itens obrigatórios para quem for encarar a maratona cultural. A recomendação é do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), que prevê chuvas fracas em pontos isolados da cidade, principalmente nos fins da tarde de hoje e de amanhã. O casaco se justifica para os eventos durante a madrugada: enquanto a previsão é de 23°C no início da festa, às 18 horas, a temperatura deve cair para 17°C, com chuviscos, ao longo da noite. NÚMEROS800 atraçõesestão programadas para esta edição da Virada900 banheiros químicosestão sendo instalados, número 3 vezes maior que em 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.