Ex-advogado de Beira-Mar é condenado por falso testemunho

O juiz Rodolfo Hartmann, da 2ª Vara Criminal Federal, condenou o advogado Paulo Roberto Cuzzuol, que já defendeu o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, a dois anos e seis meses de prisão por crime de falso testemunho. Desde janeiro deste ano, Cuzzuolestá preso por crimes de associação para o tráfico e lavagem dedinheiro. Em fevereiro, a Ordem dos Advogados do Brasil, no Rio,suspendeu o registro de advogado dele, medida que vigora até hoje.A sentença de Hartmann saiu na quinta-feira e o processo na Justiça Federalé de 2000, quando foi aberto o inquérito na Delegacia de Repressão aCrimes Fazendários. Cuzzuol foi enquadrado no artigo 343 doCódigo Penal, que diz ser crime ?dar ou oferecer dinheiro ou qualqueroutra vantagem a testemunha, perito, tradutor ou intérprete para fazerafirmação falsa (...), ainda que a oferta ou promessa não seja aceita.? A pena para este crime varia de um a três anos de prisão. Cuzzuol conheceu Beira-Mar durante uma rebelião em Bangu 1, onde otraficante cumpria pena, há dois anos. O advogado foi preso no iníciodo ano, na Via Dutra, quando ia para o Paraguai com US$ 320 mil que,segundo ele disse à polícia, seriam usados como pagamento pela comprade armas, drogas e munição. O dinheiro iria para um criminoso da quadrilha de Beira-Mar. A mulher do advogado, Cecília Hering, que o acompanhava, também foi presa. Contra Cuzzuol pesam pelo menos três processos na Justiça Federal e umna Estadual. Neste, aberto em 2002 na 26ª Vara Criminal, ele é acusadode comprar um rádio de comunicação para o traficante Elias Pereira daSilva, o Elias Maluco, que era um dos traficantes mais procurados pelapolícia na época e hoje está preso. O advogado Célio Salles Barbieri, integrante da Comissão de Ética eDisciplina da OAB-Rio, não quis comentar a sentença de Hartmann, masdisse que Cuzzuol não adotou uma postura adequada como advogado. ?Asituação dele é grave, porque passou a ser o próprio contraventor. Elemanteve uma conduta incompatível com a advocacia.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.