PAULO BELOTE/GLOBO
PAULO BELOTE/GLOBO

Ex-BBB investigado por agressão presta depoimento no Rio

Marcos Harter, de 37 anos, chegou à delegacia acompanhado de uma irmã, uma funcionária da TV e três seguranças; Emilly Araújo também vai depor na segunda

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

12 Abril 2017 | 17h56

RIO - O médico Marcos Harter, de 37 anos, participante expulso da 17ª edição do reality show Big Brother Brasil, da TV Globo, acusado de agredir Emilly Araújo, colega com quem engatou um romance durante o programa, prestou depoimento nesta quarta-feira, 12, na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. Mulheres foram à delegacia para apoiar o ex-BBB.

Ele é alvo de inquérito aberto na segunda-feira, 10, pela delegada Viviane da Costa, que nesse mesmo dia esteve nos estúdios da Globo, no mesmo bairro, onde é gravado o programa, para ouvir Emilly. Após a abertura do inquérito, o médico foi expulso do programa por determinação da TV Globo. A emissora afirmou ter cumprido a regra vigente no BBB que determina a expulsão de qualquer participante que agrida um colega.

Harter chegou à delegacia por volta do meio-dia, acompanhado de uma irmã, de uma funcionária da TV Globo e de três seguranças, e permaneceu até 14h. Não falou com a imprensa em nenhum momento, e até as 17h não havia informações sobre o teor de seu depoimento. Na porta da delegacia, na saída do ex-BBB, um grupo de mulheres gritou palavras de apoio a ele.

Emilly continua no programa, que vai terminar nesta quinta-feira, 13. Ela será convocada para prestar depoimento na próxima segunda-feira, 17. Se ficar comprovado que Harter a agrediu, ele pode ser indiciado e preso nos termos da Lei Maria da Penha.

Pelo Twitter, na madrugada de terça-feira, horas após ser expulso do BBB, Harter pediu desculpas e disse que não teve a intenção de agredir Emilly. “Como todo casal, passamos por momentos de alegria, ansiedade, euforia e tensão. Jamais tive a intenção de machucar física ou emocionalmente uma pessoa pela qual nutri tanto carinho e afeto. O programa tem um formato destinado a levar nosso emocional ao limite, e consequentemente os nervos à flor da pele. Repito: jamais tive a intenção de machucá-la ou agredi-la. Estou surpreso com tudo o que está acontecendo. Peço desculpas a todos os envolvidos, Emilly e sua família, demais participantes e a todo Brasil”, escreveu o médico.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.