Ex-chefe da PM deixa cavalos para cuidar do trânsito

Aposentado, Rui Cesar Melo aceitou na terceira vez o convite para comandar os 2 mil marronzinhos da CET

Bruno Paes Manso, O Estadao de S.Paulo

10 de maio de 2009 | 00h00

Ex-comandante-geral da Polícia Militar entre 1999 e 2002, o coronel Rui Cesar Melo já enfrentou situações tensas na carreira, como a megarrebelião nos presídios organizada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), em 2001. No fim do ano passado, gozava a aposentadoria dando aulas de equitação na escola da Sociedade Hípica Paulista, quando foi chamado pelo coronel Roberto Allegretti, diretor de Administração e Finanças da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), antigo subordinado na Polícia, para voltar ao serviço público. "Aceitei no terceiro convite porque era uma área operacional, semelhante ao tipo de trabalho que sempre gostei de fazer na polícia", diz o ex-comandante, que assumiu a Diretoria de Operações da CET para comandar os 2 mil marronzinhos que trabalham na cidade.Atualmente existem seis coronéis e um major atuando na CET e na Secretaria Municipal de Transportes (SMT). O terceiro oficial da CET é o major Dario Medeiros, superintendente de Comunicação, que atua no coração da companhia, recebendo informações de trânsito no dia a dia da cidade. Os outros quatro coronéis atuam no Departamento de Transporte Público da SMT.Na nova rotina, para enfrentar os congestionamentos de São Paulo, Melo acorda diariamente às 5 horas. Liga em primeiro lugar para a Superintendência de Comunicação, para saber se houve algum problema na madrugada e se as principais vias da cidade estão desobstruídas. "Se ocorre algum acidente ou interferência em uma grande via antes das 6 horas, São Paulo para. O trânsito é como um sistema hidráulico. Para fluir, todos os canos precisam estar desentupidos."Logo que começou, chegou a ser mal compreendido, quando disse aos marronzinhos que era fundamental que eles estivessem nas ruas o máximo que pudessem, visíveis, se possível, mesmo enquanto descansassem ou comessem um lanche. Melo explica que a ideia não era aumentar a aplicação de multas, mas inibir as infrações dos motoristas, que evitam cometer irregularidades quando veem um fiscal. "A medida preventiva é importante no trânsito. Vemos que funciona porque, quando andamos nas viaturas da CET, o que mais vemos são motoristas jogando os celulares para o lado."Outra tarefa que tem recebido atenção especial do ex-comandante-geral é a rápida remoção das cerca de 576 interferências que interrompem diariamente o trânsito de São Paulo. São desde árvores caídas a pequenos acidentes e atropelamentos, entre outras interrupções de trânsito, que acabam obstruindo o fluxo de carros. Para acelerar a retirada desses pequenos bloqueios das ruas, além dos marronzinhos, passou a pedir ajuda para os oficiais lotados em outros gabinetes. "Já aconteceu de tombar um caminhão que transportava melancia. Nesse momento, os fiscais costumam tirar no braço as frutas da via. Pedimos, então, o apoio de veículos de subprefeituras, o que ajuda no serviço", diz. "O corpo humano não pode entrar em colapso quando uma artéria está obstruída? Com o trânsito é a mesma coisa", diz, variando a metáfora.REDUÇÃO NO TRÂNSITOApesar de lidar com um dos maiores desafios da cidade, os coronéis da CET assumiram uma situação menos caótica do que a verificada no ano passado. Os meses de janeiro, fevereiro e março deste ano registraram uma queda de congestionamentos de 27%, em média, em relação ao mesmo período do ano passado. A maior queda foi verificada no período de pico da parte da tarde, em março. Os 107 quilômetros médios de ruas congestionadas baixaram para 86 quilômetros.Melo diz que o principal motivo para a redução no trânsito foi a restrição de caminhões no centro expandido da cidade entre 5 e 21 horas. Para diminuir ainda mais os congestionamentos, ele pretende obter dados que permitam aos marronzinhos atuar nos pontos críticos, semelhante ao que a PM faz no Estado, ao priorizar as áreas de maior incidência de crime. "É a melhor maneira de usar os recursos de forma mais eficiente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.