Ex-chefe da Rota evita detalhar invasão do Carandiru

Tenente-coronel depôs por 6h no 4º dia de julgamento do caso

Luciano Bottini Filho/ Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

01 de agosto de 2013 | 22h32

O tenente-coronel Salvador Madia, ex-comandante da Rota - que esteve à frente do 1.º Batalhão de Choque da PM entre 2011 e 2012, durante a última crise da Segurança em São Paulo -, sentou nesta quinta-feira no banco dos réus no julgamento de 25 policiais do caso Carandiru. Em depoimento de seis horas, ele evitou detalhar a invasão do 2.º andar do Pavilhão 9, em outubro de 1992, e culpou o tempo pela falta de memória. “Depois de 21 anos fica difícil recordar todos os detalhes.”

O juiz Rodrigo Tellini pediu para que o réu reconstituísse a operação apontando com o dedo para uma planta do 2.º andar que era projetada no auditório. Madia preferiu não indicar onde ocorreram os confrontos e o local que os policiais se feriram.

O réu fez um desabafo contra o preconceito com PMs. “O senhor pensa que não me choquei com aquela foto de um mar de mortos? O senhor acha que eu voltei para casa e tomei um copo de sangue? Pensam que não somos gente, que perseguimos pretos e pobres”, disse ao juiz, apontando os réus.  Madia foi o único oficial, dos cinco réus que se dispuseram a falar no júri, a assumir a responsabilidade pelos subordinados. “Eu entrei (no Carandiru) e não neguei. Não fujo da responsabilidade de eles terem entrado. Eu sei que nós não fizemos (o massacre).”

Contradições. A promotoria encontrou contradições entre o relato do tenente-coronel nesta quinta-feira e os que ele havia dado à Justiça Militar e no inquérito. Diante dos jurados, Madia disse que não havia visto homens nus na Casa de Detenção. No começo do processo, ele contou que havia mandado 100 presos tirarem a roupa e irem para o pátio. “Mas, se está assinado por mim, eu não me recordo, mas concordo”. As respostas até desestabilizaram o promotor Eduardo Olavo Canto, que chegou a pedir desculpas pelo “bate-boca”.

A defesa explorou os riscos enfrentados pelos profissionais da Rota, como a falta de segurança pessoal, as ameaças de morte e a distância da família. Madia ainda retomou a questão do preconceito contra PMs. “Minha tropa tem pretos, nordestinos e japoneses.” Vários dos réus se levantaram emocionados e o coronel Valter Alves Mendonça enxugou as lágrimas. Hoje começa a fase de debates e, segundo previsão do juiz, a sentença será anunciada hoje à noite ou de madrugada.

Tudo o que sabemos sobre:
Carandiru

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.