Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Ex-chefes da Samarco voltam a ser indiciados

Polícia Civil indiciou 6 integrantes de comando da empresa por lesão corporal grave após tragédia em Mariana (MG)

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

28 Outubro 2016 | 22h58

BELO HORIZONTE - A Polícia Civil indiciou seis integrantes do comando da Samarco por lesão corporal grave em inquérito que apura as causas do rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em Mariana no dia 5 de novembro do ano passado. Dezoito pessoas morreram e uma ainda está desaparecida. O inquérito foi entregue ao Ministério Público Federal (MPF) nesta sexta-feira, 28. 

Os indiciados são Ricardo Vescovi, presidente licenciado da empresa, Kléber Terra, diretor-geral de operações, Germano Lopes, gerente-geral de projetos, Wagner Alves, gerente de operações, Wanderson Silvério, coordenador técnico de planejamento e monitoramento, e Daviely Rodrigues, gerente. Todos já haviam sido indiciados no primeiro inquérito aberto pela Polícia Civil por homicídio qualificado pelo dolo eventual (quando não há intenção, mas se assume o risco), inundação com dolo eventual e poluição de água potável. A Samarco é controlada pela Vale e BHP Billiton.

O inquérito é referente a pessoas que se feriram na tragédia. Segundo a Polícia Civil, "o presidente do inquérito, Rodrigo Bustamante, ouviu dez pessoas, entre testemunhas, um médico e vítimas. A intenção do inquérito é verificar se há vinculação entre sequelas e lesões. Para isso, além dos depoimentos, foram realizados exames de corpo de delito indireto, com base em laudos e relatórios médicos do atendimento prestado à época, e também por exame complementar pela equipe do Posto de Medicinal Legal".

Se condenados, a pena é de 1 a 5 anos de prisão. O engenheiro Samuel Santana Paes Loures, da VogBR, que prestava serviço para a Samarco, também foi indiciado nos dois inquéritos. Em nota, a Samarco afirmou que "não tem conhecimento da conclusão deste inquérito. A empresa reafirma que tem contribuído repassando todas as informações solicitadas pelas autoridades".  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.