Ex-conselheiro do TCM ganha R$ 20,4 mil

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o Tribunal de Contas do Município (TCM) vai examinar as aposentadorias concedidas a ex-conselheiros do órgão. Dados levantados pela comissão no próprio TCM e obtidos pelo Estado apontam que o tribunal paga até R$ 19.333,08 líquidos para ex-presidentes e vice-presidentes do órgão. A aposentadoria é mais de três vezes o salário da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), que recebe R$ 6 mil brutos. "Como é possível que um julgador de contas ganhar um salário três vezes superior ao da prefeita?", indaga o relator da CPI, vereador Vicente Cândido (PT). Segundo o próprio relator, porém, os ex-conselheiros dificilmente perderão os benefícios. É que as aposentadorias são compostas de vários benefícios adqüiridos ao longo da carreira, como verbas de representação, sexta-parte e adicional, por terem ocupado o posto de presidente ou vice-presidente do tribunal. No relatório obtido pela CPI, são descritos os vencimentos de sete ex-conselheiros. O ex-presidente Walter Abrahão, recebeu em abril R$ 13.356,39 brutos e R$ 9.781,92 líquidos. No caso, o pagamento é composto do salário-padrão (R$ 2.637 19), sexta-parte (R$ 1.941,75), representação de presidente (R$ 799,65), representação 222% (R$ 5.854,86) e adicionais de 45% (R$ 2.122,94). A maior aposentadoria levantada é paga ao ex-conselheiro Ivan Gualberto do Couto, que recebe R$ 20.458,48 brutos. Até às 19 horas, a assessoria de Imprensa do Tribunal não se havia pronunciado sobre o relatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.