Ex-coronel é julgado pela morte de irmão do governador de AL

O ex-coronel PM Manoel Francisco Cavalcante, líder da chamada gangue fardada, está sendo julgado como mandante da morte do delegado Ricardo Lessa, irmão do governador reeleito Ronaldo Lessa (PSB).O julgamento começou nesta quarta-feira de manhã no Fórum de Maceió e deverá se estender até esta quinta-feira. O promotor Antiógenes Lira vai pedir 60 anos de prisão por duplo homicídio qualificado.Cavalcante é acusado de ter planejado a morte do delegado, assassinado em outubro de 1991, no governo de Geraldo Bulhões (PFL). Na época, Ricardo Lessa respondia pelo Departamento de Polícia da Capital e investigava grupos de extermínio.Ele foi assassinado na porta da casa da sogra, no bairro de Bebedouro, junto com seu motorista Antenor Carlota. Em setembro deste ano, cinco ex-subordinados de Cavalcante, os militares Valdomiro dos Santos Barros, Aderildo Mariz Ferreira e os ex-militares Luís da Silva Filho, Edgar Romero de Farias e José Carlos de Oliveira foram condenados a 15 anos e dois meses de prisão, como os executores do duplo assassinato. O julgamento deles durou três dias.Com exceção dos soldados PMs Valdomiro e Aderildo, que estavam aguardando julgamento no Quartel da Polícia Militar de Alagoas, os demais condenados já cumpriam pena por outros crimes no presídio de segurança máxima Baldomero Cavalcanti, onde também se encontra o ex-coronel Cavalcante, condenado por receptação de carros roubados, porte ilegal de armas e formação de quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.