Ex-diretor do BB nega ter tomado empréstimo para comprar dossiê

O ex-diretor de Análise de Risco do Banco do Brasil (BB) Expedito Veloso, negou, nesta quarta-feira, que tenha pedido um empréstimo de R$ 200 mil ao Banco de Boston. Ele assegurou que não somente não requereu qualquer valor, como nunca sequer entrou nas dependências do banco. "Eu nunca entrei no Bank Boston. Isso não é só mentira, mas um mal, uma farsa", disse.A informação de que ele teria feito o pedido foi publicada na edição desta quarta do jornal Correio Braziliense. Supostamente, os R$ 200 mil seriam parte do total de R$ 1,75 milhão que seria usado por petistas para comprar um dossiê contra candidatos tucanos. "Estão querendo criar fatos novos. A única possibilidade de algum contato com esse banco pode ter ocorrido via telemarketing ter me ligado. Dizer que eu pedi empréstimo é uma barbaridade", contestou Expedito Veloso.Ele voltou a insistir em que sua participação na tentativa de compra do dossiê foi apenas para fazer uma análise como bancário dos documentos apresentados pelo empresário Luiz Antônio Vedoin, dono da Planam e chefe da máfia das ambulâncias superfaturadas.O mesmo jornal publicou que Expedito teria feito operações em uma casa de factoring. O ex-diretor afirmou que comprou 100 metros de asfalto para a frente de sua casa, no valor de R$ 5 mil, e que fez o pagamento com dez cheques de R$ 500.A revendedora do material teria trocado, à sua revelia, sete dos dez cheques com uma empresa de factoring. "Eu confirmei isso com a própria empresa. Eu também nunca entrei numa factoring" , concluiu o ex-diretor do BB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.