Ex-dirigente de estatal condenado a ressarcir cofres públicos

O ex-presidente da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) Dieter Wartchow foi condenado pelo Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul a devolver à empresa R$ 2,64 milhões por ter contratado escritórios de advocacia sem licitação até o início deste ano.Wartchow terá 30 dias para apresentar recurso ao Pleno do TCE. Os contratos foram justificados por ?emergencialidade? e necessidade de profissionais com ?notória especialização? para defender a estatal em ações trabalhistas com valores superiores a R$ 250 milhões.A assessoria de imprensa da Corsan alega que não contratar, no caso, significaria desídia administrativa e inviabilizaria a companhia. Wartchow alegou ter cuidado do interesse público ao recorrer aos advogados, que conseguiram alta taxa de sucesso na defesa da empresa, evitando o pagamento de indenizações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.