Ex-estagiária acusada de matar colega responderá por homicídio

Carolina de Paula Farias de Souza, de 23 anos, a ex-estagiária acusada de mandar matar uma funcionária da Petrocoque para ficar com sua vaga, foi denunciada por homicídio pelo Ministério Público. Vai responder também por duas tentativas de homicídio, contra a mulher de um diretor da empresa, com que ela teve um caso amoroso, e contra outra funcionária da Petrocoque, Renata Borelli, de 24 anos. Quando Carolina era estudante de administração de empresas, fez estágio na Petrocoque e iniciou o romance com seu superior. Concluído o estágio, ela passou a procurar uma forma de continuar com o amante e conseguir emprego na empresa. Sua primeira ação criminosa foi a tentativa de seqüestro da mulher do diretor. A mulher gritou e conseguiu fugir. Segundo o promotor de Justiça Octávio Borba de Vasconcelos, da Vara do Júri de Santos, o objetivo era a morte da vítima, razão pela qual a ex-estagiária foi denunciada por tentativa de homicídio nesse caso. Com a falha dessa tentativa, Carolina planejou a morte de Renata Borelli, que mora em São Bernardo do Campo, com a intenção de ficar com sua vaga na Petrocoque. Renata foi seguida na volta para a casa e seu carro foi interceptado por um Celta verde dirigido pela ex-estagiária. De seu veículo, um dos ocupantes fez quatro disparos, sendo que um atingiu o ombro de Renata e os demais a lataria do carro. Renata sobreviveu e Carolina não desistiu. Planejou, então, a morte de Mônica Tamer Cruz de Almeida, que acabara de voltar de licença maternidade. Mônica havia saído de sua casa, na Ponta da Praia, em Santos, para tomar o ônibus que a levaria até Cubatão quando viu um carro se aproximando. Gritou e correu, mas foi atingida por vários tiros e morreu no local. De acordo com o Ministério Público, era Carolina quem dirigia o carro quanto os três crimes foram cometidos. Além dela, quatro homens foram denunciados: Aíslan Dioniso Nascimento, de 25 anos, Rodolfo Queiróz dos Santos, de 25 anos, Ewerton Moura de Andrade, de 19 anos, e Edson Siqueira dos Santos, de 24 anos. Aislan está foragido e os demais, presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.