Ex-gerente da Sony acusado de pirataria

O ex-gerente da Sony Music, José Maria Garcez de Melo, de 50 anos, foi preso em sua casa por policiais da Delegacia de Defraudações, que descobriram uma fábrica clandestina de CDs piratas. Foram apreendidos um computador, gravadores de CD, uma impressora e 2,2 mil títulos variados falsificados, além de mil CDs virgens. Os policiais tinham mandado judicial para realizar a operação, que durou duas horas. A equipe chegou por volta das 11 horas à casa de Garcez, que fica no Alto da Boa Vista, bairro de classe média alta da zona norte. Os CDs eram falsificados num cômodo da casa de dois andares, onde ele mora com a família. O ex-funcionário da Sony não estava na hora em que a polícia chegou e por isso não foi autuado em flagrante. O material foi encaminhado para perícia.Garcez trabalhava como gerente de qualidade e disse ter sido demitido da empresa há cinco anos. A polícia acredita que, a partir dessa demissão, ele começou a atuar no mercado de falsificações. O ex-funcionário da Sony falou ainda em sua casa que não estaria trabalhando com pirataria, versão que não convenceu os policiais. Garcez também informou que seu lucro era de apenas R$ 1 por CD e que comprava a matéria-prima para as cópias no mercado popular. Após receber um telefonema de sua mulher, Garcez foi para casa para acompanhar o fim da operação e depois seguiu para a delegacia com os policiais. Até o fim da tarde, Garcez não tinha prestado depoimento, mas o delegado Ricardo Codeceira esperava ouvi-lo ainda hoje. A polícia acredita que as informações sobre fornecedores, assim como as transações de compra e venda, estejam armazenadas no computador de Garcez, mas o delegado Codeceira disse que só com ordem da Justiça eles podem ter acesso a esses arquivos. "Isso é violação. Temos que esperar o mandado judicial e assim poderemos esclerecer vários pontos", informou o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.