Ex-interno e refém morrem em tragédia na Bahia

Terminou em tragédia, por volta das 8h de hoje, o caso do psicótico Ednaldo Andrade, que havia tomado como refém a assistente social Magali Bittencourt, no início da manhã de ontem, nas dependências da entidade Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. Ele matou a mulher a tiros e, em seguida, foi morto pela polícia. Não há informações, até o momento, de quem deu o primeiro tiro. Ednaldo, ex-interno da Comunidade de Atendimento Sócio-Educativo (Case), de 19 anos, nutria um amor platônico por Magali, de 29 anos. Edvaldo ficou preso no local durante três anos pelo assassinato dos avós e estava em liberdade há quase um ano. Durante a sua prisão, ele se apaixonou por Magali, que se casou recentemente e trabalha há quatro anos na instituição. Segundo funcionários, Edvaldo dizia que queria morar com ela quando fosse libertado. As negociações estavam sendo coordenadas pela Polícia Militar e pela direção da Casa de Detenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.