SSP-SE/Divulgação
SSP-SE/Divulgação

Ex-marido faz mulher refém há mais de 24 horas em Aracaju, no Sergipe

Após discussão dentro de casa, homem atirou na perna da vítima, ferindo de raspão; segundo a polícia, ele não faz exigências, o que dificulta as negociações

Ricardo Valota, Central de Notícias

19 Abril 2011 | 07h38

A jovem Cristielane Caetano Mota Santos, de 21 anos, permanece refém do ex-marido, José Elígio Tavares, de 24 anos, na casa onde mora, na Rua Tenente Wendel Quaranta, no bairro Suissa, em Aracaju, capital sergipana. O cárcere privado já passa de 24 horas. A polícia tenta vencer Tavares pelo cansaço.

 

Por volta das 9 horas de segunda-feira, 18, o rapaz, armado com um revólver, entrou na casa e, após discutir com a ex-mulher, disparou contra uma das pernas dela, atingindo a vítima de raspão. Ao escutarem o tiro, vizinhos acionaram a Polícia Militar, que cercou a casa e, posteriormente, o quarteirão, para facilitar a negociação com Elígio.

 

O casal possui um menino de 5 anos e viveu junto durante 7 anos. Cansada de apanhar do marido, Cristielane, há 20 dias, resolveu se separar de Elígio ao saber que ele havia pedido demissão do serviço e comprado um revólver. Inconformado com a separação, o acusado ainda tentou várias vezes retomar a união, mas não conseguiu convencer a jovem. Uma tia de Cristielane tentou ajudar policiais militares e civis nas negociações.

 

Elígio permitiu a entrada de uma equipe do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) para que fosse realizado um curativo na perna da vítima, dominada após voltar da escola, onde havia deixado o filho. A energia da residência foi cortada. Segundo a polícia, a maior preocupação de Eligio nas primeiras horas de negociação era saber quanto tempo de pena pegaria pelo crime.

 

O que mais dificulta a negociação é que o acusado não faz exigência alguma para se entregar, apenas ameaça matar a ex-esposa caso a polícia invada o imóvel.

 

Notícia atualizada às 11h30

Mais conteúdo sobre:
refém aracaju sergipe ex-marido negociação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.