Ex-moradores do Palace vão à Justiça para penhorar bens de Naya

Os ex-moradores do edifício Palace 2 entraram nesta segunda-feira com ação na Justiça pedindo a penhora dos bens do deputado cassado e empresário Sérgio Naya. A medida foi tomada depois que o empresário deixou de depositar cerca de R$ 30 milhões correspondentes ao acordo de indenização às vítimas, firmado em janeiro. O prazo final para o pagamento da dívida era 24 de abril. O Palace 2 ruiu em fevereiro de 1998, matando oito pessoas e deixando 120 famílias desabrigadas.O advogado de Naya, Joaquim Flávio Spíndula, informou que o ex-deputado não honrou os compromissos porque não conseguiu vender quatro imóveis ? os bens dele estavam seqüestrados pela Justiça, mas o empresário obteve alvará para comercializar um shopping na Barra da Tijuca, o terreno ocupado pelo Palace 2, e dois terrenos em Brasília.?Não estou dizendo que ele é santo. Mas é um comerciante inteligente. Cada mês de atraso ele paga uma multa progressiva de cinco por cento do valor do acordo. Ele não vai trabalhar contra ele mesmo?, afirmou Spíndula.O advogado disse ainda que a ação movida pelos ex-moradores fere o acordo de indenização. ?Se ele não conseguisse vender os imóveis nos primeiros 90 dias, poderia tentar por mais 90 dias, pagando multa e juros que podem chegar a R$ 5 milhões?, afirmou. ?Eles estão se precipitando?.A presidente da Associação de Vítimas do Palace 2, Rauliete Barbosa Guedes, disse que os moradores decidiram se antecipar por temerem um ?calote? do ex-deputado. ?Eu não acredito nele de jeito nenhum e já esperava isso. Ele debocha da Justiça?, disse Rauliete.Se conseguirem a penhora dos bens do ex-deputado, os imóveis vão a leilão e o dinheiro arrecado passaria para as mãos dos ex-moradores. Além dos terrenos e do shopping, a associação vai pedir a penhora ainda de dois hotéis que Naya tem em Brasília e de um terreno em Vila da Conquista. ?Vamos precisar de mais dinheiro para pagar as multas e juros. Além disso, a sentença fixou os valores em salário mínimo, que já sofreu reajuste?, disse Rauliete.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.