Ex-PM acusado de matar 3 no litoral pega 49 anos de prisão

Marcelo de Oliveira Cristov, ex-PM da Tropa de Cavalaria e um dos policiais acusados da execução de três jovens em São Vicente na Quarta-Feira de Cinzas de 1999, foi condenado a 56 anos de prisão em seu segundo julgamento, que terminou por volta das 23h30 desta segunda, 4. O júri anterior havia sido anulado pelo Tribunal de Justiça (TJ). Na próxima segunda-feira, 10, está marcado o julgamento do ex-segundo-tenente Alessandro Rodrigues de Oliveira. Em 7 de março, Edivaldo Rubens de Assis, outro policial acusado de participar do crime, foi condenado a 49 anos de reclusão pelo Tribunal do Júri de Praia Grande. Ele já havia sido condenado a 52 anos, mas o TJ também anulou o julgamento e determinou a realização de outro. A defesa do policial vai recorrer.Humberto da Conceição, o PM acusado de ter feito os disparos, também teve o júri anulado e seria julgado no dia 13. Mas, o juiz João Luciano Sales do Nascimento suspendeu o julgamento, depois que os advogados de acusação e defesa quase se atracaram no tribunal. Quando o promotor Walfredo Cunha Campos tentava expor a tese para condenação do réu, o advogado Celso Machado Vendramini o interrompia com apartes. "Em 20 anos de magistratura, nunca vi isso", disse o juiz, na ocasião. julgamento será realizado em 2007. O crimeOs PMs, da Cavalaria 9 de Julho, faziam parte do reforço de policiamento do carnaval. Depois do baile do Ilha Porchat, em São Vicente, foram acionados por causa do roubo de um relógio. Os amigos Thiago de Passos Ferreira, de 16 anos, Paulo Roberto da Silva, de 21, e Anderson Pereira dos Santos, de 14, foram abordados perto do clube. Silva foi espancado na rua e os PMs colocaram os três na traseira da Blazer policial. Os policiais circularam por uma hora até que entraram num mangue na frente do Litoral Plaza Shopping, em Praia Grande. Lá, o então segundo-tenente Alessandro Rodrigues de Oliveira teria dado a ordem de execução. O soldado Conceição atirou na nuca dos rapazes, que estavam deitados e não reagiram. Os corpos foram encontrados 17 dias depois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.