Ex-policial federal acusa Valentina de castrações em Altamira

O ex-agente da Polícia Federal José Carlos Machado, disse em depoimento hoje que a acusada Valentina de Andrade, que está sendo julgada por tortura, castração e morte de meninos em Altamira, teve "participação intelectual" nos crimes, embora não pudesse afirmar que ela fisicamente tivesse participado das sessões de magia negra em que os integrantes usavam capas pretas e capuzes. Machado contou que soube das reuniões na chácara do médico Anísio Ferreira e da qual participaram vários acusados já condenados pelo tribunal do júri. Arrolado como testemunha de defesa de Valentina, o ex-policial foi taxativo: "os crimes aconteceram quando ela lançou as bases da seita LUS dentro de Altamira, com a cooptação dos doutores Césio, Anísio e demais envolvidos". A professora Maria do Socorro Patello, outra testemunha de Valentina, passou mal durante seu depoimento e teve de receber atendimento médico. Perguntada pela promotoria quem a teria contratado para fazer a análise crítica do livro Deus a Grande Farsa, de autoria da acusada, respondeu que ninguém a contratou. "Fiz isso por curiosidade e vaidade". De acordo com a análise de Socorro, o livro não tem nada que indique rituais satânicos ou castração de meninos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.