Ex-prefeito é condenado por assassinato da esposa

A Justiça de Sumaré condenou o ex-prefeito João Franceschini a 14 anos de prisão pela morte de sua mulher, a advogada Hedy Mazer. O crime ocorreu em 1995. Hedy foi atingida por tiros e facadas quando chegava na casa que dividia com o ex-prefeito, com quem morou dez anos. A condenação foi decidia em júri popular, por quatro votos a três, na noite de ontem. O julgamento teve início na quinta-feira. Por ser réu primário e ter saúde debilitada, Franceschini poderá aguardar em liberdade o resultado do recurso contra a sentença, que será impetrado pelos seus advogados na próxima semana. Hedy tinha 52 anos quando foi morta. As investigações levaram à prisão da vidente Ângela Maria da Silva, que confessou o assassinato e acusou mais três pessoas, inclusive o ex-prefeito. Os outros dois acusados, o marido da vidente e um pistoleiro, foram mortos logo depois do crime. Ângela mantinha um relacionamento amoroso com Franceschini. Ela está foragida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.