Ex-presidente da SPTrans recorre contra pedido de prisão

O Tribunal de Justiça de São Paulo recebeu na tarde desta terça-feira, 3, pedido de habeas-corpus em favor de Carlos Alberto Tavares Carmona, ex-presidente da São Paulo Transporte (SPTrans) - empresa que regula o transporte público na capital. Atualmente, Carmona é assessor da diretoria da empresa. O pedido, apresentado pelo advogado Joel Domingues, será apreciado pelo desembargador Sérgio Rui, da 5ª Câmara Criminal.A defesa alega que seu cliente sofre constrangimento ilegal por parte da juíza Mônica Salles Penna Machado, da 5ª Vara Criminal da Capital, que no último dia 26 decretou a prisão preventiva de Carlos Carmona. O advogado pede a revogação do despacho da juíza.Em primeira instância o advogado insiste para que a juíza mude de posição. Joel Domingues juntou novas provas para apreciação da juíza. Ela recebeu a petição e encaminhou o material para manifestação do Ministério Público. Só depois disso, a juíza decide se mantém ou suspende o decreto de prisão preventiva.Pedido de prisãoO Ministério Público ofereceu denúncia contra Carmona no último dia 23. Três dias depois, a juíza recebeu a denúncia e decretou a prisão do empresário. Ele é acusado de fraude em licitação, uso de documento falso, estelionato e formação de quadrilha. A juíza marcou audiência para o dia 17 de novembro.A prisão foi decretada, mas por conta das eleições a ordem não podia ser cumprida. O prazo de dois dias estipulado pela lei eleitoral terminou às 17 horas desta terça. Além de Carmona, o decreto de prisão atinge outras sete pessoas: Celso Antonio Filho, Eduardo Assali Achoa, José Augusto Rego da Encarnação, Leandro Sâmara Tuma, Leo Acherboim, Rodolfo da Silva Magalhães e Tânia Maria da Silva Pinto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.