Ex-sargento PM foge da carceragem da PF em Maceió

O ex-sargento da Polícia Militar de Alagoas, Raimundo Edson da Silva Medeiros - conhecido como sargento Medeiros - fugiu da carceragem da superintendência da Polícia Federal de Alagoas, em Maceió. A fuga foi confirmada pelo delegado Fernando Castro, que responde pela interinamente pela superintendência da PF. Segundo Castro, três presos fugiram na madrugada deste domingo, entre eles o ex-sargento Medeiros. No entanto, o delegado disse que só revelaria os detalhes da fuga e os nomes dos outros presos, quando fosse finalizado o processo de apuração. Medeiros teria serrado a grade da cela e fugido pelos fundos do prédio da superintendência.O ex-militar estava com prisão preventiva decretada desde o início do ano, mas só foi preso no dia 11 de abril, por agentes federais, no bairro de Jaraguá, a poucos metros da superintendência da PF. O mandado de prisão do ex-PM foi expedido pelos juízes que integram o Núcleo de Combate ao Crime Organizado.30 crimesMedeiros é acusado de participação em cerca de 30 crimes, entre eles o assassinado do promotor de Justiça de Pernambuco, Rossine Alves, executado com três tiros de revólver, em maio do ano passado, em um restaurante na cidade de Cupira (PE). O crime teria sido praticado com a ajuda do assessor parlamentar Henrique Oliveira.No último dia 3 de maio, equipes do Ministério Público de Pernambuco e da delegacia de Homicídios daquele Estado, comandadas pela delegada Silvana Lélis, estiveram na sede da superintendência da PF, em Maceió, para ouvir os Medeiros e Henrique. Os dois são acusados de envolvimento no assassinato do promotor público Rossine Alves.Segundo um delegado federal, que pediu para não ser identificado, Henrique não fugiu, continua preso na carceragem da PF. Esse delegado disse também que no depoimento à PF, Medeiros teria revelado nomes de parlamentares e empresários alagoanos envolvidos em crimes de pistolagem, roubo de cargas e assaltos em Alagoas.DeserçãoO ex-sargento Medeiros foi indiciado pela participação na morte do motorista Carlos André Fernandes dos Santos, assassinado em agosto de 2005, na cidade de Satuba (AL) O ex-militar também é acusado das mortes do policial civil Robson Rui, do pistoleiro Cícero Belém e do líder comunitário Edvaldo Guilherme, o Baré-Cola. Quando foi preso, Medeiros ainda era sargento da PM, mas perdeu a farda em maio passado. Ele foi condenado a dois anos de prisão pelo juiz da Vara Militar, James Magalhães, por crime de deserção. Na sua decisão, o juiz determinou que o sargento Medeiros cumprisse a pena na carceragem da PF, de onde fugiu na madrugada deste domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.