Ex-secretário Antenor Braido é libertado após pagamento de resgate

O jornalista Antenor Braido, que foi secretário de Comunicação Social de Celso Pitta e ainda assessora o ex-prefeito, foi libertado nesta madrugada na Avenida Santa Catarina, zona sul de São Paulo, depois de 8 dias em cativeiro. Segundo a polícia, o resgate - de R$ 34.200,00 - foi pago às 23 horas de sexta-feira. Três horas depois, Braido chegava em casa, num bairro de classe média, em Osasco, na Grande São Paulo."Fui bem tratado, mas obrigado a ficar de olhos vendados e deitado virado para a parede, num quarto de 3x3, com um chuveiro e uma câmera me vigiando." Braido, porém, negou que o resgate tenha sido pago. "Eles me libertaram porque a polícia estava chegando perto."O jornalista foi levado às 21 horas do dia 11, quando saía, num Honda Civic, de seu escritório, em Moema, SP. Dois homens se aproximaram e o mandaram ficar quieto. Não acreditaram quando disse ser jornalista e não ter dinheiro." Achavam que era um "empresário com grana". Só souberam quem é ele no dia seguinte, ao lerem notícia num jornal. "Quando se confirmou que sou jornalista, eles ficaram tensos, achando que a situação ia se complicar."No dia seguinte, a polícia achou o Honda em Cidade Ademar, na zona sul. Os seqüestradores só fizeram contato com a família dois dias depois, exigindo R$ 60 mil. A prova de vida foi dada no dia 17: Braido ligou para a mulher, Sílvia. Pediu que ela pagasse o resgate, que foi reduzido.A Delegacia Anti-Seqüestro (DAS) acompanhou as negociações. A polícia já tem pistas e deve prender os bandidos, segundo um assessor da Secretaria da Segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.