Ex-soldado é condenado a 19 anos por assassinato de promotor

O ex-soldado da Polícia Militar de Minas Gerais,Edson Souza Nogueira, de 28 anos, foi condenado no final da noite pelo 2º Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, a 19 anos de prisão, em regime fechado, pelo assassinato do promotor de Justiça Francisco Lins do Rego, de 43 anos. O promotor foi morto com 13 tiros no dia 25 de janeiro do ano passado e Nogueira era acusado de efetuar os disparos.O julgamento, que teve início às 13h, durou cercade nove horas. Diante do juiz José Amâncio de Souza Filho, o ex-policial admitiu que participou do crime, mas negou que tenha atirado no promotor. Ele acusou o empresário Luciano Farah de ser o autor dos disparos. Mas, ao ser preso, seis dias após o crime, Nogueira havia confessado o crime, a mando de Farah. Recentemente, porém, ele mudou a versão, dizendo que apenas pilotou a moto e o empresário efetuou os disparos.O promotor Francisco de Assis Santiago, responsável pela acusação, sustentou que o crime foi cometido pelo ex-soldado a mando deFarah e afirmou que a mudança de versão era uma estratégia do acusado para minimizar sua pena. Ele disse que fará uma reunião com os a advogados da família da vítima para tratar da possibilidade de entrar com um recurso com o objetivo de aumentar a pena de Nogueira. O advogado de defesa, Edgar de Souza, avisou que irá recorrer da decisão.O ex-soldado era lotado no 18º batalhão da PM e fazia serviços desegurança para Farah. O empresário, cujo julgamento foi adiando eainda não tem data para ocorrer, era dono da Rede West de postos decombustíveis. A rede era acusada de praticar adulteração de produtos e vinha sendo investigada por Francisco Lins.A segurança do fórum foi reforçada e os familiares do promotor acompanharam o julgamento, mas não se manifestaram após a sentença. No final de maio, o office-boy Geraldo Parreiras foi condenado a 18 anos de prisão, em regime fechado, pela participação no crime. Ele admitiu ter feito um levantamento sobre os hábitos do promotor a pedido de Farah.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.