Ex-surfista atacado por tubarão consegue próteses na Justiça

Charles Pires, de 34 anos, teve as mãos arrancadas numa praia do Recife, em 1999

Angela Lacerda, Agência Estado

10 Maio 2012 | 17h18

RECIFE - Charles Heitor Barbosa Pires, de 34 anos, que teve as mãos arrancadas por um tubarão, há 13 anos, enquanto surfava na praia de Boa Viagem, no Recife, conseguiu na Justiça o direito de ter duas próteses biônicas custeadas pelo Estado de Pernambuco.

Importadas da Escócia através de uma fornecedora do Rio Grande do Sul, as próteses custaram R$ 654 mil e irão permitir a Charles todos os movimentos dos dedos. Nos primeiros testes realizados com as próteses, Charles já teve um vislumbre do ganho: "Me emocionei ao poder pegar nas mãos das pessoas", afirmou ele, que também sentiu a alegria de colocar alimentos na boca. "O comando é meu, através do pensamento".

Devido à necessidade de ajustes, ele viaja ainda neste mês para o Rio Grande do Sul. Sua expectativa é poder retornar ao Recife com total controle sobre suas mãos biônicas, podendo mexer todos os dedos e com capacidade de suportar até 90 quilos.

Charles perdeu as mãos ao tentar se defender do tubarão que o atacou no dia 1 de maio de 1999. Ele tinha 21 anos na época. Casou, tem dois filhos e no próximo ano conclui o curso de Direito. Foi na faculdade, ajudado pelo professor de Direito Constitucional, Marconi Barreto Junior, que se tornou seu advogado, que decidiu entrar, em 2010, com um processo judicial contra o Estado, com base no artigo 196 da Constituição Federal que afirma o direito de reinclusão social do deficiente físico. Em outubro do ano passado, o juiz José Marcelon Silva, da 3. Vara da Fazenda Pública, concedeu a liminar. As próteses chegaram em abril.

Mesmo sem prótese, Charles trabalhou como auxiliar administrativo em uma empresa por sete anos. Ele consegue usar o computador e realizar algumas tarefas com a ajuda de uma tala improvisada. Atualmente no seguro desemprego, já pensa em fazer estágio em um escritório de advocacia e voltar a ser um cidadão integral, sem dependências nem exclusões.

Quando sofreu o ataque de tubarão, as praias do Recife e região metropolitana sul ainda não expunham as placas de proibição de surfe na área devido à presença de tubarões.

Mais conteúdo sobre:
surfistaJustiçaRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.