Ex-vereador acusado de atuar em milícia é morto

Eram 12h50 quando um homem de touca ninja preta acertou um tiro no peito do ex-vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o Nadinho de Rio das Pedras, na porta do Residencial Provence, um dos prédios do Condomínio Rio 2, na Barra da Tijuca, zona oeste. Nadinho ainda correu, mas caiu cerca de 20 metros depois, perto do corredor de acesso ao hall de elevadores, entre a piscina e um restaurante. Ali, apontando para a cabeça de Nadinho, o assassino descarregou.Após perícia, o titular da Delegacia de Homicídios, Jáder Amaral, disse que pelo menos dez tiros atingiram Nadinho. Segundo ele, havia pelo menos dois atiradores - foram recolhidos estojos de cápsulas de dois calibres: 9 mm e .40. Para Amaral, que investiga milicianos, o crime "mostra como esses grupos atuam". Nadinho se mudou para o Rio 2, com mulher e filho, após atentado em dezembro.Havia marcas de tiro na cancela, ao lado da guarita, e em pelo menos cinco carros. O ex-vereador estava acompanhado de um PM. Baleado no tórax, ele sobreviveu e seria ouvido ontem à noite. Moradores contaram ter ouvido cerca de 30 tiros. "Foi impressionante. Pensei até que fossem fogos." O atirador fugiu em um Audi. Um Gol, supostamente ocupado por criminosos que davam cobertura, saiu em seguida. Segundo moradores, a polícia chegou cerca de 20 minutos depois.Nadinho teria descido para encontrar o PM. O policial era seu amigo e não seu segurança, disse o advogado do ex-vereador, Edson Fontes. Ele afirmou que Nadinho estava com medo de morrer. "Se as autoridades tivessem oferecido garantia, isso não teria acontecido." Câmeras do condomínio que poderiam ajudar a identificar assassinos estariam quebradas. POLÍTICANadinho ingressou na Câmara em 2004 com 34.764 votos, pelo DEM, e não foi reeleito. Liderou a Associação de Moradores de Rio das Pedras. Em 2007, ele se desentendeu com o policial civil Félix Souza Tostes, com quem supostamente comandava a milícia. Tostes foi assassinado naquele ano e Nadinho, acusado de ser o mandante. Foi preso, mas respondia em liberdade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.