Excesso de chuvas: comportas da Paulo Afonso são abertas

A gerência da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) na cidade de Paulo Afonso, a 499 quilômetros de Salvador decidiu aumentar hoje a vazão da Usina de Luiz Gonzaga (antiga Itaparica) para 4.500 metros cúbicos por segundo diante da grande acumulação de água provocada pelas chuvas que castigam a região há duas semanas. O lago da usina registrou na manhã de hoje 90% de sua capacidade de acumulação de água, cujo total é de 11 milhões e 300 mil metros cúbicos. Mais acima, no médio São Francisco, o Lago de Sobradinho, o maior do sistema Chesf, já chegou a 24% da capacidade e continua subindo. Para garantir a segurança do complexo energético de Paulo Afonso, 26 das 75 comportas da Usina Luiz Gonzaga foramabertas, o que elevou a vazão normal de 1.100 litros por segundo para 4.500. "É um parâmetro seguro, que nós estamosacompanhando com todo o cuidado", explicou o engenheiro Aírton Feitosa, assessor da gerência da Chesf em Paulo Afonso.Segundo ele esse aumento de vazão não deve provocar alagamento nas cidades ribeirinhas do Rio São Francisco abaixo da usina. Após Paulo Afonso, a calha do São Francisco é caracterizada por canyons (desfiladeiros) altos até o lago de Xingó que integra o complexo hidroelétrico da Chesf. Xingó também vai aumentar a vazão. "Essa quantidade de água que a gente está soltando não é suficiente para provocar enchentes nas cidades ribeirinhas, mas ocorre que naquela região, mais para a foz do São Francisco, continua chovendo muito, aumentando os afluentes do rio, o que somado com o incremento do volume de água, pode causar problemas principalmente em direção ao litoral na cidade sergipana de Propriá", avisou Feitosa.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2004 | 16h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.