Excesso leva a dor, estresse, insônia e até mesmo surdez

Não é só incômodo. Suportar altos níveis de barulho faz mal à saúde, advertem especialistas. "O ruído excessivo lesa as células ciliadas do ouvido, que são responsáveis por mandar o estímulo sonoro para o cérebro", explica o otorrinolaringologista Ektor Onishi, coordenador da Campanha Nacional da Saúde Auditiva, promovida pela Sociedade Brasileira de Otologia.De acordo com o médico, cada ser humano nasce com 30 mil dessas células. "A audição é extremamente sensível", lembra. "Não existe um tratamento que reponha as células que a gente perde com o barulho." Elas começam a ser danificadas a partir de 85 decibéis. A perda da audição depende da intensidade do ruído, do tempo de exposição e da sensibilidade individual. Outros problemas de saúde também podem ser causados pelo barulho. "Há quem sinta dores de cabeça crônica, dores de estômago, insônia, dificuldade de concentração e até sofra aumento da pressão arterial", diz Onishi.Além, é claro, do que ocorre no sistema nervoso. "Há vários estudos que mostram que pessoas expostas a ruídos excessivos vivem um estado de irritabilidade maior", afirma a psicóloga Marilda Novaes Lipp, diretora da Associação Brasileira de Stress. "Mas seria utópico parar o barulho da cidade. Então é preciso arranjar uma maneira de lidar com esse fator de stress."A dica da psicóloga é tentar "esquecer" da situação, de forma a conseguir desviar o foco. "No carro, por exemplo, sugiro que a pessoa ouça música", recomenda. "Atenua o ruído desagradável do trânsito e faz o motorista não prestar atenção no barulho."O médico também tem suas sugestões. "Se você está no carro, feche os vidros, que já diminui bastante o incômodo", orienta. Para os adeptos de baladas noturnas, o médico recomenda intervalos regulares para "o ouvido se recompor". "Em shows e danceterias, o ideal é que a cada 30 ou 40 minutos a pessoa se ausente do ambiente por 10 minutos", afirma. Se o problema maior for no trabalho, ele é taxativo: use protetores auriculares. "Por isso que os marronzinhos da CET são obrigados a utilizá-los", afirma.A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que as pessoas não se exponham a mais de 55 decibéis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.