Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Executiva cearense é assassinada a tiros no Paraguai

A executiva Ana Amélia Bezerra de Menezes, de 28 anos, foi assassinada ontem de madrugada no Paraguai. O carro que a levava do aeroporto ao hotel foi alvejado por quatro homens. Uma bala de pistola atingiu Ana, perfurando pulmão e coração. Ana Amélia tinha 28 anos, era filha do empresário Ivan Bezerra de Menezes, dono da Têxtil Bezerra de Menezes, uma das maiores da América Latina. Diretora de assuntos corporativos da empresa do pai, a empresária viajou a trabalho para Assunção. Foi negociar a exportação de fios produzidos pela fábrica da família. No momento do crime, estava acompanhada por dois diretores da empresa. "Foi uma fatalidade", afirmou Humberto de Pietrini, gerente de exportação da indústria do pai de Ana. Pietrini contou que o carro foi atingido por cinco tiros; mas ele, o motorista do hotel em que se hospedariam e o outro hóspede a bordo do carro escaparam dos tiros.O assassinato chocou parentes de Ana, a caçula entre cinco irmãos, em Fortaleza. Na opinião deles, não havia qualquer motivo para o crime. Estão convencidos de que foi um engano. Mas não descartam a possibilidade de a emboscada ter sido preparada para um dos outros passageiros da van do hotel. O consulado do Brasil no Paraguai ajudou no desembaraço burocrático para liberar o corpo da executiva. A família passou todo o dia tentando liberar o corpo da executiva, mas a liberação só aconteceu no meio da tarde. O corpo de Ana deverá deixar a capital paraguaia às 19h, no horário local, e tem previsão para chegar à 1h da madrugada, horário de Brasília. O enterro será às 9h da manhã, no Cemitério Parque da Paz, em Fortaleza.Ivan Bezerra é presidente do Sindicato das Indústrias Têxteis do Ceará e irmão do ex-governador do Estado, coronel Adauto Bezerra.

Agencia Estado,

19 de agosto de 2002 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.