Executiva do PPS quer expulsão de Maggi

O presidente do PPS, deputado federal Roberto Freire (PE), anunciou que a Executiva Nacional do partido - que está reunida desde a manhã desta terça-feira em Brasília - encaminhou ao Conselho de Ética da sigla, após votação, pedido de expulsão do governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, ao Conselho de Ética do partido. A recomendação foi motivada por conta da adesão de Maggi à candidatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições, descumprindo decisão do PPS de apoiar o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. A informação foi divulgada no site da legenda na internet.De acordo com o site, Freire considerou "abjeta" a afirmação de Maggi, de que apoiava o candidato do PT em troca de liberação de recursos para seu Estado e para o agronegócio.O presidente do PPS avaliou que, dentro de um mês, no máximo, sairá a decisão do Conselho sobre a expulsão. Nesse meio tempo, Maggi será citado para apresentar a sua defesa. "Creio que será um processo rápido porque teremos de convocar mesmo uma reunião do Diretório Nacional para discutir a fusão (com o PMN e PHS) e esse assunto do governador entrará também", explicou, em entrevista veiculada no site da legenda. O Diretório decidirá se acata ou não a decisão do Conselho de Ética sobre o governador.Segundo o dirigente do PPS, Maggi não sustentou palavra que teria dado, "em toda a imprensa inclusive", de que se desfiliaria da legenda. "Enviou e-mail pedindo a desfiliação ou uma licença, mas voltou atrás", contou Freire.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.