Exército atuará em situações especiais em Campinas

A criação de brigadas de elite do Exército para ações em situações de emergência nos Estados brasileiros vai mudar a rotina dos militares da 11ª Brigada, em Campinas, interior do Estado. Armas e equipamentos novos e treinamento especializado para atuação em situações críticas são algumas das mudanças na rotina do batalhão, que deixará de ser "blindado" para se tornar "motorizado". A criação das forças especiais do Exército foi determinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o major Carlos Henrique Costa, são 2 mil homens que serão treinados para atuarem no combate à violência urbana e outras situações de risco. Para isso, os soldados deixarão de ser treinados para a guerra e receberão treinamento de polícia.Os fuzis serão trocados por armas leves e os homens receberão escudos, capacetes e máscaras anti-gás. Os 80 tanques blindados que hoje são usados na Brigada serão levados para unidades do Exército na região Sul do Brasil. No lugar deles, serão usados veículos mais leves, como caminhões para tropas. Em Campinas, a intervenção do Exército já foi pedida por uma organização não-governamental após o assassinato do prefeito Antonio da Costa Santos e no auge das ações da quadrilha do seqüestrador Wanderson de Paula Lima, o Andinho.O pedido foi negado na época. Mas neste ano, o Exército já atuou em duas situações, durante a greve das polícias no Piauí e em Minas Gerais. De acordo com o major, dos 2 mil homens que serão treinados, 30 integrarão a Polícia do Exército. Ele prevê que a brigada de elite esteja pronta para no início do ano que vem. A ação das brigadas de elite será autorizada pelo presidente da República. As informações são da emissora EPTV de Campinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.