Exército distribui água e filas se formam em Governador Valadares

Moradores esperam mais de três horas; prefeitura pretende instalar caixas de 20 mil litros em pontos estratégicos de abastecimento

Marco Antônio Carvalho, Enviado especial de O Estado de S. Paulo

13 Novembro 2015 | 13h39

GOVERNADOR VALADARES - Cinquenta e cinco homens do Exército chegaram nesta sexta-feira, 13, a Governador Valadares, no leste mineiro, e iniciaram uma distribuição de garrafas de água mineral à população local, que sofre com colapso no abastecimento desde a segunda-feira, 9. Centenas de pessoas formavam filas que davam voltas no quarteirão da Praça dos Esportes, no centro. A espera por quatro garrafas de um litro chegava a ultrapassar três horas e meia.

A cidade interrompeu a captação no Rio Doce em razão da chegada à região dos rejeitos das barragens em Mariana. A distribuição de água à população integra o plano emergencial para socorrer a população.

O vigilante Sebastião Valério, de 60 anos, aguardava há duas horas para pegar as garrafas. Ele contou ter estocado água em casa desde o fim de semana em caixas e galões. "Acho que ainda dura uns três dias. Depois, todos os dias vamos ter de enfrentar filas como essa", disse.

Com o tempo quente, a tarefa de aguardar na fila representou esforço excessivo para algumas pessoas. A cozinheira Romilda Monteiro, de 37 anos, não aguentou e desmaiou, sendo rapidamente atendida. "Faz tanto tempo que estou aqui que nem lembro a hora que cheguei", disse. Romilda contou que o restaurante onde trabalha na cidade está fechado por falta de água. 

Plano. A prefeitura de Governador Valadares informou nesta sexta-feira que pretende instalar caixas de 20 mil litros em pontos estratégicos de bairros da cidade para levar água potável à população. Os cerca de 40 caminhões-pipa que estão hoje na cidade atendem apenas pontos prioritários, como hospitais e abrigos. O objetivo é elevar o número de veículos para 150 ainda neste fim de semana.

"O plano com caminhões-pipa vai garantir a vinda de 3, 2 milhões de litros por dia. Mas precisamos de ao menos 15 milhões para conseguir fornecer 50 litros por família, que já é uma quantidade reduzida", disse a prefeita Elisa Costa (PT).

Para complementar a demanda, a administração pretende contar com auxílio de vagões-tanque da Vale, que trafegam pela ferrovia que corta a cidade, além de obras que devem levar um mês para terem a execução finalizada. 

Os vagões da Vale carregam 60 mil litros por viagem. A prefeitura pondera, no entanto,  que só o hospital municipal consome 200 mil litros por dia. As ações planejadas incluem também a perfuração de 15 poços artesianos em pontos do município, com previsão de fornecimento de cinco litros por segundo; o Rio Doce fornecia 120 litros por segundo no mesmo tempo.

As captações alternativas não devem ser suficientes para permitir a retomada da distribuição pelo sistema encanado, já que o volume não atinge o mínimo para garantir a pressão necessária, segundo a prefeitura.

A solução poderá estar na construção emergencial de uma adutora de engate rápido anunciada nesta quinta-feira, 12, pela presidente Dilma Rousseff (PT) em visita a Governador Valadares. A estrutura deverá levar 0, 9 metro cúbico por segundo do Rio Suaçuí à estação de tratamento da cidade. A obra deve levar 30 dias para ser concluída. 

"A ação definitiva para colocar água novamente nas torneiras é a construção da adutora. Estamos estudando soluções para que o prazo encurte. Estamos tentando diminuir o desconforto, mas haverá algum desconforto", disse o secretário nacional de Defesa Civil, general Adriano Pereira Júnior, que está na cidade para apoiar as ações.

A construção da adutora deverá contar com o apoio da mineradora Samarco, que enviou representantes a Governador Valadares nesta quinta-feira. "Conseguimos fazer a empresa Samarco assumir o compromisso de que ela é a única responsável de todo esse desastre", disse a prefeita Elisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.