Exército fica nas ruas do Rio até 4ªF "no mínimo"

O sigilo em torno das operações durante o carnaval é a estratégia das Forças Armadas para impedir a ação dos traficantes e garantir a tranqüilidade no Rio. A fim de pegar os criminosos de surpresa, o Comando Militar do Leste (CML), que coordenará a chamada ?Operação Guanabara?, mantém segredo sobre o número de militares do Exército, da Marinha e Aeronáutica que atuarão e o tipo de policiamento que vão fazer.Nesta sexta, a operação teve início, timidamente. As tropas podiam ser vistas em poucos pontos, próximos aos quartéis e à Vila Militar, na zona oeste. É a primeira vez que as Forças Armadas atuam durante o carnaval carioca. Os militares saíram às ruas ao meio-dia. Ficarão até a quarta-feira de cinzas, ?no mínimo?, disse o oficial de Comunicação Social do CML, coronel Ivan Cosme Pinheiro.Por enquanto, segundo ele, não há orientação sobre a extensão da operação depois do carnaval. ?Nós estamos nos valendo do sigilo para termos um melhor desempenho. Numa situação dessas, em que estão envolvidos elementos de alta periculosidade, nós temos que nos valer do fator surpresa?, afirmou Pinheiro.A mobilização tem como objetivo a ?garantia da lei e da ordem? e se estenderá por toda a Região Metropolitana. Segundo o CML, a medida está amparada pela Constituição Federal e na Lei Complementar nº 97, de 1999. O Centro de Operações de Segurança Integrada (Cosi) centralizará o comando das ações e contará com representantes do Exército, da Marinha, Aeronáutica, polícias Federal, Rodoviária Federal, Militar e civil, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e Guarda Municipal.O CML não informou sequer se a operação terá os mesmos moldes das demais já realizadas no Rio. A última delas foi desencadeada no primeiro e segundo turnos das eleições passadas. Três mil militares ocuparam as ruas e oito mil ficaram de prontidão nos quartéis. Durante a ?Operação Rio?, em 1994, soldados do Exército e fuzileiros navais subiram favelas e patrulharam as ruas por cerca de dois meses.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.