Exército intervém em greve de PMs no Tocantins

Militares do Exército chegaram esta manhã ao 1º Batalhão de Polícia Militar, em Palmas, no Tocantins, onde cerca de 850 policiais militares estão aquartelados e em greve desde a semana passada. O Exército deve prender 13 PMs que lideram o movimento atendendo determinação do juiz Sândalo Bueno do Nascimento. Os PMs são acusados de organizar motim, com agravante de uso de armas militares, incitamento à greve e reunião ilícita. Os grevistas reivindicam 47% de aumento salarial e melhores condições de trabalho. Também foi decretada pela juíza Adelina Maria Gurak a reintegração de posse do primeiro batalhão. Entretanto, a cada momento chegam à guarnição mais militares do interior, reforçando a intenção de que os PMs não pretendem ceder às pressões. Desde ontem à tarde 900 homens do Exército vindos de Brasília, Rio de Janeiro e Goiânia estão fazendo policiamento em Palmas. Eles estão se concentrando na casa do governador Siqueira Campos, no Palácio Araguaia, sede do governo, e no aeroporto da cidade.O clima é tenso na cidade, principalmente com a possibilidade de o Exército ocupar o 1º batalhão, onde estão os aquartelados. Não há qualquer indício de negociação entre grevistas e governo. A expectativa é de que isso possa ocorrer ainda hoje, com a chegada de parlamentes da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.