Exército mata motorista que furou bloqueio no Rio

O Exército fez hoje sua primeira vítima fatal desde o início da Operação Guanabara, como foi batizada a presença das Forças Armadas no Rio, no sábado. Frederico Branco de Farias foi baleado ao volante de um Corsa azul por volta das zero hora de hoje na região de Tomás Coelho, na Zona Oeste da capital. Segundo os militares, Farias teria tentando atropelar o comandante do posto do Exército no local, que tinha se colocado na pista para parar o carro, que pouco antes não tinha atendido à ordem de parar em barreira da Polícia Militar, próxima ao local. O Comando Militar do Leste do Exército (CML) afirmou que "lamenta o ocorrido, porém, em face das atitudes suspeitas do motorista falecido, aos militares não restou outra opção, senão recorrer ao uso da força, dentro do estrito cumprimento do dever legal", diz o boletim de hoje do Centro de Operações de Segurança Integrada (Cosi) do CML.O boletim diz também que os PMs e o soldados atiraram para o alto antes de mirarem no automóvel. Primeiro, os PMs atiraram para cima logo após o carro ter passado pela sua barreira. Depois, foi a vez dos militares, quando o Corsa se aproximava do posto do Exército e avançava na direção do militar no meio da pista. Farias foi levado em ambulância do Exército para o Hospital Salgado Filho , onde morreu. Um inquérito policial militar (IPM) foi aberto para apurar o episódio e foi registrada ocorrências na 44a Delegacia de Polícia. Uma mulher estava no Corsa com o motorista mas o boletim do Exército não informa seu nome ou o que ocorreu com ela depois dos tiros. Este foi o único caso no boletim da Operação Guanabara de hoje, que é emitido diariamente às 11h.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.