Exército ocupa a favela da Rocinha

O Comando Militar do Leste informou que 300 homens ocupam desde a manhã desta terça-feira, 14, as favelas da Rocinha, na zona sul do Rio, e do Curral das Éguas, na zona oeste. A operação tem o objetivo de cumprir mandados de busca e apreensão e entregar intimações para moradores que serão ouvidos no Inquérito Policial Militar que investiga o roubo de onze armas de um quartel do Exército, na chamada Operação Asfixia. Na Rocinha, primeira favela da zona sul a receber os militares, o trabalho conta com a colaboração do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar, unidade de elite da corporação. Desde que as tropas chegaram, foram ouvidos barulhos de tiros e queima de fogos de artifício, mas não houve confronto entre traficantes e militares.Nova faseOntem, após o anúncio da desocupação de todas as favelas do Rio, o chefe do Estado Maior do Comando Militar do Leste (CML), general Hélio Macedo, afirmou que não houve recuo, nem erro, nem fracasso da ocupação. Ele explicou que as tropas poderiam voltar às comunidades. Ontem mesmo, ocorreram operações do Morro do Dendê e na Vila dos Pinheiros, na zona norte, mas nada foi apreendido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.